Ressonância magnética pode melhorar diagnóstico do câncer de próstata

Identificar o câncer de próstata, o segundo mais comum entre o público masculino (atrás apenas do de pele), é um desafio para os médicos. Isso porque os testes mais usados hoje – o de toque e a medição do PSA – apesar de apontarem para a possibilidade do tumor, não fecham o diagnóstico e ainda apresentam um número considerável de falsos-positivo, quando o exame acusa um problema que na verdade não existe.

Ou seja, para saber mesmo se tem um tumor maligno agressivo, o paciente com uma suspeita quase sempre se submete à biópsia, um método invasivo que colhe um pedacinho da glândula para analisá-la no microscópio. “Mesmo com a ajuda do ultrassom para guiá-la, ainda é preciso fazer de 14 a 16 furos na próstata para extrair fragmentos e, depois, examinar cada um”, aponta Leonardo Kayat Bittencourt, radiologista do Centro de Diagnóstico por Imagem (CDPI), no Rio de Janeiro.

Conclusão: muitos homens passam por um procedimento que pode causar dores, infecção urinária e outros efeitos adversos mesmo sem terem um câncer. Mas, em breve, uma ressonância magnética específica para a próstata pode entrar na lista de exames que ajudam a visualizar esse tipo de tumor e, consequentemente, diminuir o número de biópsias desnecessárias. Foi o que mostrou um estudo publicado no New England Journal of Medicine, conduzido por instituições de diversos cantos do mundo.

COMPARTILHAR